domingo, 14 de outubro de 2007

Dip dos Elfos Alentejanos











Falo-vos hoje da minha prima Catarina. A Catarina é uma mulher das Arábias. Não. Reformulo: A Catarina é uma mulher das Neves Eternas. Também não. Reformulo: A Catarina é uma mulher das Estepes. Ainda não. Reformulo: A Catarina é uma cidadã do Mundo. Assim é que é.
Chamamos-lhe Catarina, a Grande, porque é pequenina e esperta como os Duendes, misteriosa e sábia como os Druidas, frágil e poderosa como os Elfos, bela e imprevisível como as Valquírias, simultaneamente Filha e Mãe de todos os seres que povoam as florestas que guardam as suas raízes. É na mágica Irlanda que elas estão, ainda intactas, lançando-lhe no vento um apelo eterno. Chegou-nos um dia, envolta ainda nas insondáveis brumas das lendas nórdicas, a desafiar o sol e o azul inebriante deste reino do sul. E num instante se fundiu nele e lhe pertenceu por inteiro. Não. Reformulo: Não por inteiro, porque ela não é de nenhum lugar. São os lugares que lhe pertencem, que se fazem seus por vontade própria. Porque não lhe resistem, porque é impossível resistir-lhe.

Quem olha para ela, incauto, não dá nada pela figurinha aparentemente comum. Enorme erro: é uma Loba. Uma mulher inteligente, feliz e realizada. Já amou muito, já sofreu muito, já viveu muito. E de todas as experiências, boas e más, soube tirar preciosas lições. Já fez de tudo um pouco, desde ocupar cargos de grande responsabilidade (é bióloga e economista) até limpar escadas e rabos de meninos alheios. É, verdadeiramente, uma mulher dos sete instrumentos. Hoje toca apenas, por opção, aquele de que mais gosta: um monte no Alentejo, perto de Vila Viçosa, onde reencontrou o seu território sagrado. Entre ervas de cheiro, ribeiros e árvores milenares, descobriu o cenário ideal para as poções mágicas que cozinha em segredo. Porque também gosta de cozinhar, claro. Como nós, os parentes latinos.
Este "Dip de chouriço e vinho do Porto" é um dos seus sortilégios. Prove-o e nunca mais será o mesmo. Quer apostar? Aqui fica a receita, tal e qual como ela a ensina:
Colocar no 123 (picadora de emoções) um belo paio alentejano (mais ou menos com 250 gr), um raminho de salsa e outro de coentros, sal (só se for preciso!) e alguns grãos de pimenta acabada de trogloditar no seu moinho. Depois, juntar esta triturada aromática a uma embalagem de queijo creme (250 gr) e mais dois iogurtes naturais. Podem também juntar-se alguns espargos picados. A seguir, fazer esperar as papilas durante 24 horas, enquanto, no frigorífico, o preparado se inter-penetra devagarinho, cada ingrediente pelos outros, sob o êxtase de lauto festim próximo! E no fim, antes de servir: embebedar tudo com uma boa dose (meio cálice) de Ebrium Portum (vulgus: vinho do Porto), e .... correr para a mesa... a entrada vai ser servida!
Nota: O dip deve ficar espesso, e serve-se com tiras de pão de várias qualidades e outras de pera rocha, que se mergulham no creme.

10 comentários:

marta disse...

Boa noite Ana


Algumas, as sobremesas mais trabalhosas, porque não gosto muito de doces e ainda menos de os fazer, ainda não experimentei.

A Marqisette foi um sucesso, previsto, para os filhos.

Este Dip de chouriço, imperdível.

Faz cescer água na boca.

Obrigado pelas histórias associadas.

Um must, este blog.

ana vidal disse...

Muito obrigada, Marta! Tenho sempre a sensação de culpa, porque nao venho aqui o suficiente e mesmo assim as pessoas aparecem e gostam. Para compensar a marquisette, o dip é facílimo de fazer. Bon appetit!

cat disse...

Muito agradecida por tornares o meu dip famoso!!! É a minha primeira invenção culinária acessível ao mundo!
Beijinhos!

ana vidal disse...

LOL! Cat, não exageremos!!
Mas quem sabe, um dia...

SOBE E DESCE disse...

Deus!... Não posso cá vir!
Este blog é o máximo e eu golosa como sou fico perdida.
Mas... às escondidas de mim mesma vou voltar.
Não devia ter feito hoje uma visita à Marta, mas como não sabia.
Já estava contente com a receita do puré de broculos, agora tenho que ver estas e que Deus me perdoe, porque de certeza que volto.
E então com as ervas do meu Alentejo! Jesus me valha.

Diversão e Arte para Qualquer Parte! disse...

Pois muito bem, finalmente vim visitar tão comentado blog da prima da minha amiga Catarina, que me tratou como rainha quando estive em sua casa de Paço dos Arcos. Sabendo que sou louca por caldo verde, tratou de fazer um panelão para o mês inteiro, sendo que no dia seguinte voltaria para o Brasil.
Aqui as pessoas acham que sabem o que é um caldo verde. Mas o verdadeiro preparado pela minha querida acepipeira na terrinha, só eu posso dizer que conheço!
Abraços amigos e parabéns pelo bom gosto da seleção musical!
MB

Maria disse...

Há tanto tempo que cá não vinha e dou de caras com um prato destes a esta hora da noite!...
Até me lembrei da tijela de sopa de feijão encarnado que uma vez comi numa casa de fado do Bairro Alto.
Aquilo é que sabia bem.
Ai Jesus ... vou já embora.
Bj

av disse...

"Diversão e Arte" e Maria,

Bem vindas e obrigada pela visita. Sempre que aqui venho fico com a sensação de que sou uma péssima anfitriã, já que demoro tanto a reagir aos vossos simpáticos comentários. Desculpem-me. Mas gosto muito de ter-vos por cá, apesar de não parecer...

Maria disse...

Cá vim eu outra vez, mas como estou de dieta para poder comer o que quero pelo Natal, não faz mal.
Hoje é para lhe desejar um Bom Natal e bons petiscos.
Não é péssima anfitriã~, não senhora, pode estar â sua vontade que está em sua casa.
Nós vamos petiscando, cada vez com mais água na boca.
Bj e Bom Natal.
Maria

Maria, Simplesmente disse...

Se a Sobe e Desce diz que não pode cá vir, eu digo: nunca mais cá venho!... e volto sempre.
Vou lanchar que fiquei cheia de fome...
Maria